Sarna negra: Conheça os sintomas para buscar tratamento

Para nossa tristeza e para o sofrimento dos nossos tão amados cachorros, existe uma praga que pode prejudicar enormemente a saúde do bichinho: a tão temida e famigerada sarna negra. Ela é também conhecida e chamada pelo nome de sarna demodécica e causa muitas dores de cabeça para os donos de cachorros.

A data mais remota de que se tem notícia onde se encontra registros do aparecimento da sarna negra é o ano de 1842. Desde essa data até os dias atuais, já foram realizados inúmeros progressos na medicina veterinária. Isso tanto com relação ao diagnóstico da mazela, quanto ao tratamento da doença em si.

Ela é assim tão temida e preocupante pelo fato de ser como uma das doenças de pele que apresentam maior dificuldade para ser tratada e é absurdamente persistente. Nos dias atuais, os especialistas em dermatologia veterinária afirmam que algo em torno de 90% dos casos podem ser solucionados com um tratamento bastante agressivo.

Esse tratamento para a sarna negra é bastante longo, podendo durar até por volta de 1 ano inteiro para ser resolvido por completo.

Se o seu cão recebeu um diagnóstico de sarna negra a pouco tempo ou então você gostaria de aprender mais para poder saber como se prevenir, permaneça lendo esse artigo!

A sarna negra em cães

A sarna negra, igualmente conhecida por demodicose ou sarna demodécica, é o resultado da proliferação de um ácaro cujo nome científico é Demodex canis (outros ácaros podem provocar a doença, mas esse é o mais comum deles).

Esses ácaros ficam geralmente e de modo bastante controlado na pele do cão. Contudo, quando se perde o controle, esses ácaros começaram a se reproduzir loucamente, em uma quantidade excessiva. Isso acarreta inúmeras modificações na pele do cachorro.

Os cachorros que possuem menos de 1 ano e meio de idade estão mais propensos a desenvolver esta mazela, pois ainda não tiveram a capacidade de desenvolver totalmente o seu sistema imunológico.

Existe algumas raças caninas dotadas de uma tendência maior em desenvolver essa doença, como o boxer, o doberman, o dálmata, o pastor alemão e o pug.

Quais são os sintomas da sarna negra nos cães?

Há essencialmente duas modalidades de sarna negra: a localizada e a generalizada. Esses dois tipos de sarna podem ser considerados de modo diferente, pois possuem sintomas distintos entre si e, consequentemente demandam abordagens diferenciadas durante o tratamento.

Sarna negra localizada

A sarna negra localizada configura-se por zonas de alopecia (partes do corpo carentes de pelos), de tamanho reduzido, bem delimitadas e de coloração mais avermelhada. Com o decorrer do tempo e o avanço da doença, a pele adquire uma cor mais escura e se torna mais grossa também.

Pode haver a ocorrência de crostas, ou seja, de cascas. Normalmente, o cachorro não vai apresentar sinais de coceira. As áreas do corpo que costumam ser afetadas são a cabeça, o pescoço e os membros anteriores, ou seja, as patas dianteiras.

É de suma relevância destacar que há uma estimativa na qual algo em torno de 10% dos casos podem acabar evoluindo para uma sarna negra generalizada. Por conta disso, é extremamente crucial que mesmo após o diagnóstico e do tratamento terem sido devidamente determinados, que o cão faça constantes visitas ao veterinário, como modo de verificar se há algum progresso da doença.

Sarna negra generalizada

As lesões da sarna negra generalizada são completamente idênticas aquelas apresentadas pela sarna negra localizada. Contudo, ao contrário da localizada que fica restrita a uma porção específica do corpo do animal, a sarna negra generalizada é caracterizada por estar difundida em toda a extensão do corpo do cachorro.

Nessa modalidade, o cão geralmente costuma ter uma coceira insuportável. Esse é o formato mais sério e grave da doença. Ela costuma surgir em animais que são de raça pura e possuem menos que 18 meses.

Às vezes, cachorros com esta doença evidenciam igualmente várias infecções de pele e infecções no ouvido. Há outros sinais clínicos que podem acontecer, como, por exemplo: gânglios aumentados, febre e também perda de peso.

Geralmente, a sarna negra do tipo localizada se configura pelo aparecimento de uma quantidade de pelo menos 6 lesões, todas elas com dimensões menores do que 2,5 cm de diâmetro. Quando encontramos um cão portando mais de 12 lesões difundidas pelo corpo, podemos considerar que se trata de uma sarna negra generalizada.

Nas condições onde não fica evidente sobre qual dos dois tipos, o veterinário ficará encarregado de efetuar uma avaliação das lesões e tentar obter um diagnóstico mais preciso e definitivo. É fundamental ressaltar que não é sempre que é simples diferenciar ambas as formas da doença. Para tristeza geral, não há técnicas complementares para se poder diferenciar ambas as categorias de sarna negra.

Demodex injai

O ácaro Demodex canis, conforme dissemos anteriormente,  é o ácaro causador da sarna negra mais comum. Entretanto, ele não é o único parasita responsável por ocasionar essa mazela. Cães com sarna negra causada por Demodex injai mostram sintomas levemente distintos.

Habitualmente, os cães evidenciam uma dermatite seborreica na área dorsolombar. De acordo com os especialistas, os cães com maior propensão para o desenvolvimento dessa modalidade de sarna são os cães da raça Teckel e os da raça Lhasa Apso. Eventualmente, essa sarna eclode como resultado do hipotireoidismo ou do uso abusivo de corticoides.

Tratamentos para a sarna negra

Por volta de 80% dos cães com sarna negra localizada são curados sem a necessidade de implementar-se nenhum tipo de tratamento. A realização de um tratamento sistêmico não é recomendada para essa modalidade de sarna. Por isso é importante que essa doença receba um diagnóstico preciso por parte do veterinário.

Como a alimentação afeta de forma direta o sistema imunológico do cachorro, por esse motivo uma boa avaliação nutricional é componente do tratamento de um bichinho com sarna.

Veja o vídeo abaixo da explicação completa sobre a doença pela Veterinária Patrícia:

O chamado mergulho de amitraz

Uma forma mais renomada para se tratar da sarna negra generalizada é o chamado mergulho de amitraz. É recomendado que o cão tome banhos com esse produto uma vez a cada 7 a 14 dias. Caso o cachorro possua uma pelagem longa, se faz necessário uma tosa antes de aplicar o produto.

No decorrer das 24 horas posteriores a realização do tratamento, o cachorro não deve ser submetido a nenhuma situação estressante.

Aplicação de Ivermectina

A Ivermectina é um medicamento muito usado para o tratamento de sarna negra generalizada. Normalmente o veterinário escolhe receitar o remédio para uma administração por via oral, misturado junto com a comida do animal, elevando progressivamente a dose.

Esse tratamento deve persistir por até 2 meses após serem obtidos dois raspados negativos.

Cuidando de um cão com sarna negra

Cuidar de um cão com sarna negra requer uma boa dose de atenção e principalmente paciência, visto que o tratamento costuma ser longo. Deve-se seguir à risca as recomendações do veterinário para o sucesso do tratamento e seu cãozinho ficar bom bem rápido!

Add Comment